Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Não me canso disto

Uma nova porta para o mundo...O meu MUNDO.

Não me canso disto

Uma nova porta para o mundo...O meu MUNDO.

Num mundo imaginário

05.03.22, Anita
  Num dia normal Zé Pedro levava os livros a todos os clientes. Eles faziam a encomenda através da internet e depois ele gostava de os entregar pessoalmente. Os clientes gostavam desta visita.  " - Um cliente satisfeito compra mais." Era isto que transmitia ao seu novo colega, o Raul.  E continuavam pela estrada, mas hoje Zé Pedro, preparava o Raul para esta nova tarefa: vender livros. Assim que o Raul conhecesse todos os clientes, Zé Pedro iria viajar. Ia viajar para os locais (...)

Domingo foi...

24.01.22, Anita
Domingo foi dia de Feira de Usados cá no burgo e, claro, não podíamos deixar de ir. Desta vez houve descobertas bem interessantes. Comprámos um lego para o João, que embora não tivesse as peças todas, ele lá o conseguiu montar, com peças que já tinha. Um bom preço, ganhando assim o João mais um lego para a sua coleção:     O meu marido apaixonou-se por uns pratos de Natal da SPAL, encontrou dois, em vendedores diferentes, e assim trouxe por um preço simpático dois belos (...)

50 dias - 20 blogs

22.11.21, Anita
Se não fosse uma amante de Playmobil se calhar não conhecia este blog.     PLAYMOBLOG   A Ana Raquel monta cenários fantásticos com os seus adorados Playmobil e conta histórias fantásticas. Qualquer dia ainda a convidam para contar as suas histórias em livro. Merecido, por sinal  Uma ávida colecionadora de Playmobil. Uma paixão de mãe e da sua filha. Conhecem? Espreitem    #50dias20blogs   

Num mundo imaginário

23.10.21, Anita
  Era sábado e Margarida gostava de correr pela floresta. Já bastava todos os dias da semana estar fechada num pequeno escritório. Ao fim-de-semana, Margarida voava ao som da música que a acompanhava sempre no seu percurso. Era livre. " - Força Margarida!"  Diziam as pessoas que a conheciam bem por fazer sempre o mesmo caminho.  

Num mundo imaginário

12.10.21, Anita
  Frei Simão, pelo início do Outono subia à serra. Uma subida anual. Acompanhado de uma pequena trouxa, amarrada a um pau, seguia viagem. Pouco levava na trouxa, algum pão para as trocas. O Outono estava aí e tinha que se abastecer de alguns alimentos que iriam durar até à Primavera: mel, castanhas, bolotas para o seu porquinho. Nada melhor que os bens adquiridos aos (...)